sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Há luz

(foto: Paulo A. Lopes - Light Journey)
Encontro-me aqui,
em meio aos pensamentos escoados,
escorridos, liquefeitos,
escondidos de mim mesma,
insatisfeitos deste fim,
esperando... sonhando...
Busco satisfazer meus ímpetos,
meus desejos insólitos, inerentes,
porém a tanto inertes
que tornaram-se esquecidos.
...sombras do que foram...
Mas lá,
no final, lá no horizonte...
observo a luz surgir entre nuvens,
...esperança...

Um comentário:

  1. Sempre há de haver esperança. Delicioso despertar teu poema! Bjus.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário, deixo meu beijo antecipado. Volte sempre!!!